domingo, 13 de abril de 2008

Numa constante

“Existe [a felicidade], sim; mas nós não a alcançamos.
Porque está sempre apenas onde a pomos.
E nunca a pomos onde nós estamos”.
(Vicente de Carvalho, Poemas e Canções)


A história é longa. E bota longa nisso. Na realidade, nem sei como ainda encontro disposição para falar sobre esse assunto. Deve haver uma porta certa por onde escapar! Ou alcançar. Ah, não é possível. Mais uma vez, era uma vez o destino, que novamente fez questão de se manifestar contra mim. E aqui estou eu, na mesma rede, depois da mesma ausência.
Cheguei ao ponto de abandonar certos livros e filmes. Passo longe principalmente das partes que se referem a mim! E a ele. Há histórias que faziam sonhar; hoje, me têm sido uma tragédia.

Não posso aceitar! Voltei a acordar com o sobrepeso do meu corpo e o gosto do vazio na boca agora me persegue. O que espero, afinal? Pensei que tinha me tornado esperta o bastante... No entanto, insisto burramente nos campos cavernosos que são exatamente iguais. Já conheço bem o início e mais ainda o fim disso tudo. O destino é tão patético que nem faz questão de mudar, me enganar ou algo parecido. E nem precisaria. Basta aparecer com sua principal armadilha para me tornar o bichinho indefeso de antes.

Pensei que já havia deixando tudo acertado comigo. Imaginei que tinha contraído sensatez. Mas não. Continuo, repetidamente, a mesma. Enquanto parte de minha vida dá cambalhotas, esta, a pior delas, é uma constante. Até os sonhos, dos quais havia me livrado, nos últimos dias se referem estritamente às mesmas frustrações, ao orgulho ferido, ao ciclo interrompido. Compreendo o que preciso. Mas será preciso (o mesmo) tremendo esforço. Isso dói.

Myllena Valença

4 comentários:

neide disse...

PÔ, MY

FOI PENSANDO EM MIM QUE TÚ ESCREVEU, NÉ? KKKK

RSRSR

PERFEITO

Bia disse...

me tocou profundamente..

FaBiana disse...

Esses ciclos interrompidos sempre deixam marcas. O difícil é fazer um novo ciclo com a mesma coragem!

flavio disse...

muito bom seu blog mas precisa atualizá-lo.
abraços