quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Adulta, enfim!

Estou adulta. Não sei se pela idade, que nem é tanta assim. Mas cheguei, enfim, à tal fase. Demorei a enxergar minha transcendência involuntária e sempre punha a culpa nos outros pelas mudanças no mundo. A Farinha Láctea, por exemplo, não tem o sabor de antes; não me dá mais prazer sentir seus grãos colados aos dentes. O biscoito Bono, notaram?, também está insosso e as tortas mais meladas da padaria não me enchem mais os olhos. Estou na fase dos dissabores da vida? Será esse o preço do amadurecimento, da liberdade que sempre quis?

Perdi o hábito de me benzer em frente à igreja, de entrar com o pé direito e correr de gato preto. Não acredito em tudo que é história e nos mais ínfimos sinais saco logo a áurea das pessoas. Já não chamo de inteligente todo mundo que sabe algo a mais que eu. Já não elogio nem critico com tanta frequência, porque meus sentidos estão mais volúveis. Talvez por esse motivo as dores corriqueiras mudaram de ritmo. Parecem tão mais brandas agora. Nessa nova fase também passei a me estressar com outras coisas tolas. O que provoca, por Deus, tanta confusão de vê com ver, está com estar, vir com vim? Detesto esses barbarismos!

Não consigo mais conter cada palavra pelo receio de magoar - mas às vezes, quando mais deveria falar, falho. Ainda assim, o medo de me expor, de ser mal vista, julgada, passou. Isso porque acabei com a antiga e feia mania do deixar-prá-lá: parei de dar de ombros diante de injustiças e mentiras; aprendi a interpelar.

Determinadas amizades perderam o sentido. Outras, bem ou mal, enxergo de forma diferente. Umas não conseguiram me acompanhar. Outras, porém, me surpreenderam e me ganharam, quem sabe, para sempre. Confesso mais: eu, que queria convencer plantas, lagartixas de parede e gente chata que minha amizade valia à pena, não ligo mais. Minhas qualidades, não tenho que prová-las. Aprendi a dizer não e evito eufemismos - não preciso ser a menina mais legal da cidade. Os meus estão sempre perto (mesmo que não fisicamente), então, abro mão do resto.

Me importo menos em ser clichê. Perdi o cuidado excessivo de falar ou transcrever algo já dito por outros. Adulta, aprendi a relaxar o períneo, perdi a vergonha de chorar e até ganhei medo de anestesia. Um pouco mais de ousadia para seduzir me soava vulgar. Nada. Cada pessoa se faz ou não vulgar. Quero fazer plásticas, morar longe daqui e topar o desafio de ser sempre pontual sem, para isso, precisar adiantar os ponteiros em 15 minutos.

Sei não, acho que comecei a contagem regressiva para pôr ordem à minha vida. Acho que vou ter de encarar a vida de adulto.

Myllena Valença

23 comentários:

Isabelle disse...

Me sinto exatamente igual. Chega uma hora em que as coisas mudam de sabor e de valor...
sou sua fã!!!

beijossss!!!

marcelo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
marcelo disse...

Primeiramente deixa te dar os Parabens Myllena muito bom seus textos....Já falando deste Otimo,excelente...Me sinto igualzinho ao que você escreveu... Chegamos a um determinado momento de nossas vidas que temos q mudar,costumes,jestos,sonhos e etc...Isso é a essencia da vida td muda... .Muito bom hehehe.......bjus Myllena...!!!

Pollyanna disse...

Eita cresci também Mi.....O importante e saber crescer sem máscaras, sem maldades, com pureza até no olhar. Xerão. Viva a vida bem FELIZ.

Bruno disse...

Muito bom seu texto, crescer acho que seria degustar mais e abstrair menos...Pensando bem, não, isso seria amadurecer...

beijo,

Tolos pensamentos disse...

Não me sinto igual como os outros que comentaram. Me sinto na necessidade de chegar a esse ponto...
Mas, parabéns Mylle por mais uma de suas pérolas, no sentido belo da coisa...kkkk

Beijoooo

Davi disse...

Myllena, tu é "a cara"!! Parabéns pelos textos... muito bons!! Agora vou lendo devargazinho... E gostei muito desse meu primeiro texto que li. Realmente é a fase adulta...

beijão

Gilvany disse...

e que seja bem-vinda a fase adulta!
fase que tantas coisas ficam insossas...
mas como tudo na vida, uma nova fase traz também novos sabores... os sabores que a gente não tinha "coragem" de experimentar enquanto não alcançasse o dito grau de maturidade!
que venha a fase adulta (às vezes me sinto como se, pra mim, ela não tivesse chegado por completo!).
viva a fase adulta!

beijooooos, My!!!

Kariny disse...

As vezes chegar a fase adulta assusta um pouco, mas para vc essa fase chegou te deixando brilhante. Tenho muito orgulho de vc e de sua maturidade que as vezes assusta, por pensa que ainda é aquela menina. Te adoro!!!

Uitamar Jr Locutor disse...

Olá Myllena!!!
Meu nome é Uitamar, sou amigo de Placido.
Tava dando uma passada no orkut e acabei caindo no seu Blog rs
Gostei muito do seu texto!

Parabéns e se, tbm, estiver seguindo a profissão de Jornalista pode apostar que vai arrebentar!!!

Um beijo, Boa Sorte!!!

Thomás Luciano disse...

- O Toddynho também já não é mais o mesmo! "Quando agente conhece o verdadeiro gosto da responsabilidade e a sapiência de que só a batalha sofredora diária é o que garante o sustento futuro, então somos ADULTOS. Não é fácil reconhecer, e não são todos que sabem reconhecem. Há pessoas em que a fase CRIANÇA dura até o fim de sua vida. Te adoro Mih

Anônimo disse...

Amei.Pleo visto sou adulta há muito tempo.Bjs

Nanda Sales disse...

Pra mim vc merecia uma coluna Sex and The city no Jc de domingo. Eh a Carrie Bradshaw do agreste!!!!

Dawton disse...

Sempre me surpreendendo!
muito bom seu texto!
Ah.. tbm quero morar longe daqui..kkk..vamos todos!
Tbm sou seu fã!
bjoo

Tamyxx disse...

Estou precisando cehar a essa fase. Amadurecer, deixar agluns sabores e importância s de lado e buscar algo novo..mas, enquanto não experimento essa nova sensação, só me resta curtir o que sou, entre trancos e barrancos. ;)

bjus Myllena

Patrícia Queiroz disse...

O melhor disso tudo é que a maioria de nós ( fãs eternos do seu blog) nos identificamos com seus inteligentissimos textos .
Vc tem o dom de traduzir em palavras e tocar la no fundo...
Parabéns por mais esse belo texto!!

Glauco disse...

Estou virando seu fã...

"Embaraços" disse...

Ainda tão menina, amadurecendo! Isso acontece com mulheres inteligentes!
Raro encontrar a inteligencia e a beleza juntas, vocês as tem. Isso causa furor, sofrer, e tantas coisas, mas cresça cada vez mais, vá em frente, VIVA e seja feliz! Com Deus nos guiando ultrapassamos tudo! Grande abraço! Penso que estou nas amizades que vc ganhou recentemente e que seja para sempre. Tia Sônia

pgalvez disse...

Lembra do meu "Balanço dos 30 anos"? Putz, pois em janeiro tive que escrever "Depois de amanhã", pros 35 anos. É mais ou menos isso que você disse mesmo. Morar fora daí? Começa por Curitiba, hehehe.

natália moraes souza. disse...

adorei o texto! consegui me identificar em várias frases.. =)

parabéns pelo blog!!
tô te acompanhando, pq vale a pena!
bjos

Glaugo Araújo disse...

Concordo em gênero, número e "degrau". Aliás, a impressão que tenho é que tudo que é lançamento é bom, mas em pouco tempo, a visão empresarial vai derrubar o tamanho, a qualidade, o sabor e a embalagem. Tudo em detrimento do lucro.

Glauco Araújo, um fã deste blog.

Gennys disse...

O texto "Adulta, enfim!" é d+. Acredita que vc conseguiu me definir nele? Acredita que me sinto assim e não sabia pq? Acho que é da idade mesmo, uma fase... talvez! Poxa. Muito bom. Melhor do que ir numa psicóloga.

Você escreve divinamente!!!

Beijos!!!

Tamy Oliveira disse...

Me importo menos em ser clichê. Perdi o cuidado excessivo de falar ou transcrever algo já dito por outros. Adulta, aprendi a relaxar o períneo, perdi a vergonha de chorar e até ganhei medo de anestesia. Um pouco mais de ousadia para seduzir me soava vulgar. Nada. Cada pessoa se faz ou não vulgar. Quero fazer plásticas, morar longe daqui e topar o desafio de ser sempre pontual sem, para isso, precisar adiantar os ponteiros em 15 minutos.

meninaa..sou eu falando..
concordo com Nanda..merece uma coluna Sex and City!
\o)